Notícias

Aniam
11/02/2016

NO BRASIL DO DESARMAMENTO TAMBÉM TEMOS MUITOS MOTIVOS PARA CHORAR

As novas medidas propostas recentemente pelo presidente norte americano Barack Obama para o combate da violência armada reacendeu um importante debate mundial sobre o tema.

É inegável que a checagem de antecedentes criminais e de sanidade mental é fundamental para restringir legalmente que criminosos e pessoas com transtornos tenham acesso a armamentos. Porém não o suficiente para evitar o acesso ilegal por meio do crescente comércio clandestino nacional e internacional.

Apesar disso, o destaque nos noticiários internacionais ficou por conta do choro do presidente Barack Obama. Aqui no Brasil também temos muitos motivos para chorar. A começar pela equivocada política de segurança pública que vitimiza todos os anos milhares de cidadãos em nossas terras.

Fato é que aqui, ao contrário dos Estados Unidos, apesar de vigorar leis bastante restritivas, visando o controle e o desarmamento da população, o que vemos é o contrário. Um total descontrole, contrabando e o aumento dos índices de criminalidade.

Os resultados são lamentáveis. Milhões de armas irregulares em circulação e cerca de 60 mil homicídios por ano. Sem contar os milhões de cidadãos brasileiros que hoje não conseguem ter acesso a meios efetivos e compatíveis de defesa, devido à discricionariedade na análise de comprovação de efetiva necessidade, e encontram-se vulneráveis a ação dos criminosos.

Nos EUA, as novas regras “não são um plano para retirar as armas de todo mundo”, como destacou o presidente Barack Obama. Argumenta que são medidas razoáveis para fortalecer o sistema de controle de compradores e vendedores de armas. No entanto, assim como o cenário brasileiro sugere, essa ação terá pouca ou nenhuma influência na redução da violência. Afinal, certamente quem está disposto a cometer um crime não se preocupará em cumprir leis.

O atual debate em busca de soluções e medidas efetivas é de extrema importância e deve continuar, porém é preciso pensar tecnicamente e não politicamente, e levar sempre consideração a realidade de cada país, ao invés de promover ações baseadas em ideologias, suposições ou comparações infundadas.

Salesio Nuhs, Presidente da Associação Nacional da Indústria de Armas e Munições – Aniam

 

 


Veja também as notícias anteriores   Veja também as notícias anteriores

 

06/10/2018 - Ação de fabricante de armas tem valorização de 130%
06/10/2018 - Ações da Taurus dobram de Valor.
11/10/2018 - Conselho da Taurus aprova emissão de bônus de subscrição que pode movimentar até R$400 mi
11/10/2018 - RIBEIRÃO PIRES MANTÉM ÍNDICES DE CRIMINALIDADE EM QUEDA
10/10/2018 - GOVERNO AMPLIA PORTE DE FUZIL A PM
10/10/2018 - SÃO PAULO AMPLIA USO DE FUZIL PARA POLICIAIS MILITARES.
10/08/2018 -